domingo, 4 de dezembro de 2016

Charuto


Há exatamente 64 anos, em 4 de dezembro de 1952, falecia Charuto.

O nome desse torcedor colorado ainda é uma incógnita. Se perdeu no tempo e talvez nunca seja descoberto. Mas isso não significa que ele fosse um desconhecido. Pelo contrário, era um dos mais ilustres torcedores colorados, em sua época. Conhecido e admirado por todos. Um "colorado em estado puro", na definição de Luís Fernando Veríssimo.

Charuto vivia dos bicos que fazia nas docas do Cais do Porto, carregando caixas de frutas. Sem dinheiro para frequentar o estádio, sempre encontrava torcedores dispostos a pagar seu ingresso. Se não encontrasse um patrocinador, contava com a boa vontade dos porteiros, que "ignoravam" quando Charuto entrava no estádio de costas, para fingir que estava saindo.

Charuto costumava chegar ao estádio já embriagado, e uma vez lá dentro ainda recebia cervejas pagas por outros torcedores. Normalmente virava-se de costas para o campo e de frente para a torcida, fazia discursos incompreensíveis, gritava "Co-ro-ra-do! Co-ro-ra-do!", sentava na arquibancada e dormia o resto do jogo. Em jogos especiais, como os Gre-Nais, Charuto trazia caixas de chuchus e tomates estragados, para jogar nos adversários.

Mas não se pense que, por jogar frutas em outras pessoas, Charuto fosse uma pessoa agressiva. O Jornal do Dia de 5 de dezembro de 1952 assim o descreve: "De índole galhofeira, perfeitamente inofensivo, seu aparecimento em qualquer círculo de palestra nas ruas  estádios era sempre bem recebida, pelo humorismo apresentado na simplicidade de seu modo tosco de falar."

Dizem que um dia alguns torcedores fizeram uma vaquinha, compraram roupas novas para Charuto e o levaram para a social do estádio. Charuto não teria se sentido à vontade, pediu desculpas e volto para o meio do povo. Voltemos ao Jornal do Dia, que o apresentou como o "mais modesto, e no entanto, mais vigoroso admirador" do Clube do Povo.

Sua morte varia conforme duas versões. Em ambas, Charuto envolveu-se em uma briga, por motivo desconhecido. Em uma das versões, a briga ocorreu no Cais do Porto, Charuto perdeu o equilíbrio, caiu e bateu com a cabeça no meio-fio. m outra versão, a briga ocorreu próximo o Mercado Público, e Charuto foi esfaqueado.

Seu enterro ocorreu no mesmo dia 4. Uma lenda bonita, mas falsa, aparece em vários textos, na internet. Charuto teria tido seu caixão carregado pelos jogadores do Internacional, devidamente fardados. Na verdade a morte, na época e ainda hoje, se reveste de uma sóbria solenidade, e certamente não teríamos jogadores fardados carregando um caixão. Além do mais, no dia 7 ocorreria o Gre-Nal decisivo do campeonato e os jogadores colorados já estavam concentrados. Mas o clube não deixou desamparado seu torcedor. Todas as despesas do funeral foram bancadas pelo clube e a direção colorada compareceu em peso ao velório e funeral.

Charuto representa aquele torcedor de origem humilde, que foi expulso do Beira-Rio nos últimos anos, como se fosse uma chaga. O resultado dessa elitização vemos aí em campo. Charuto, no plano espiritual, deve estar juntando chuchus e tomates podres, mas não para lançar nos adversários, e sim nessa direção arrogante e elitista que levou o "Cororado" a essa situação.

Para encerrar, passo a palavra a Luís Fernando Veríssimo:

"Me lembrei do Charuto, que nunca olhava para o campo, provavelmente nem sabia quem era o adversário do Inter e dificilmente lia jornal ou ouvia rádio para saber dos campeonatos e das campanhas do seu time. Sua paixão pelo Inter independia de qualquer entorno - o Internacional era, para ele, para todos os efeitos, uma abstração. O objeto de um amor perene e incondicional. Ganhasse ou perdesse."

Nenhum comentário:

Postar um comentário