sábado, 2 de setembro de 2017

O Centenário de Russinho

01.09.1917

Há exatos 100 anos, nascia na cidade de Cruz Alta o menino David Russowski.

Filho de uma abastada e tradicional família judia, mudou-se para Porto Alegre, para estudar. Em 1934 ingressou nas categorias de base do Grêmio, onde atuou até 1936. Em 1937 trocou o Grêmio pelo Americano, mas quando ocorreu o racha entre amadores e profissionais, acabou retornando ao Grêmio, em uma polêmica transferência. Mas após ser campeão municipal pelo Tricolor, em 1938, preferiu trocar de ares, e apresentou-se nos Eucaliptos.

Russinho estreou no Internacional com derrota. Em 11 de março de 1939 o Internacional perdeu um amistoso para o Ferroviário por 3x2. Mas sua passagem pelo Colorado seria marcada por vitórias.

Nesta primeira temporada pelo Colorado, conquistou o Torneio Relâmpago, brilhando ao lado de Carlitos e Sylvio Pirillo. O campeonato da cidade havia sido unificado, após dois anos dividido. Como não era possível organizar um campeonato municipal com os onze clubes que faziam parte da liga, foi organizado um torneio, em turno único, que classificaria os cinco primeiros para a Série A, e rebaixaria os demais para a Série B. No campeonato municipal, apesar da boa campanha e do clube já contar com Tesourinha, o título não veio.

Em 1940, porém, o Colorado dominou o futebol gaúcho, retomando a hegemonia estadual. Em 18.08.1940, o Internacional empatou em 4x4 com o São José, pelo campeonato municipal. O Colorado perdia por 4x2 até dez minutos antes do fim da partida, quando Russinho marcou dois gols, garantindo o empate. O quarto gol colorado foi uma pintura! Houve uma sequência de passes de cabeça: Alfeu para Rui, Rui para Russinho, Russinho para Carlitos e Carlitos para Russinho, que marcou o gol. O goleiro do São José era nada menos que Ivo, que mais tarde brilharia no Rolo Compressor. Em 20.10.1940, também pelo campeonato municipal, o Internacional bateu o Grêmio por 4x3, com Russinho marcando o gol 300 do clássico.

Em 1941, novamente o Colorado arrebatou os campeonatos municipal e estadual. E em dezembro de 1941 Russinho formou-se em direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mas a grande temporada de Russinho ainda estava por vir.

O ano de 1942 não começou muito bem para Russinho. No início do ano ele participou da delegação gaúcha que disputou os Jogos Universitários, no Rio de Janeiro. Tal atitude desagradou o técnico colorado, o uruguaio Ricardo Díez. O novo comandante do Internacional organizou a primeira pré-temporada da história do clube, com treinos específicos e exames médicos. Por iniciativa dele, o clube montou algo revolucionário no futebol gaúcho: um Departamento Médico.

Russinho não participou da pré-temporada, nem fez os exames médicos. Quando retornou a Porto Alegre, o técnico declarou que enquanto o atleta não passasse por uma bateria de exames e treinamentos especializados, não poderia jogar. Aborrecido, Russinho declarou que iria abandonar o futebol, causando verdadeira comoção na torcida colorada. A pressão da torcida para que Russinho fosse escalado era grande, e a direção passou a apoiar o craque. Irritado com a intromissão no seu trabalho, Ricardo Díez pediu demissão.

Mesmo sem ter participado da pré-temporada, Russinho não decepcionou. E 1942 marcava uma série de acontecimentos especiais. Esta foi a única temporada que a escalação clássica do Rolo Compressor atuou: Ivo; Alfeu e Nena; Assis, Ávila e Abigail; Tesourinha, Russinho, Vilalba, Rui e Carlitos. Além disso, o Rio Grande do Sul, pela primeira vez, poderia ter um tricampeão estadual.

Em 12.07.1942 o Internacional derrotou o Grêmio por 4x2, pelo campeonato municipal. Russinho marcou dois gols, o segundo, uma linda bicicleta. Este gol foi reproduzido em um panfleto colorido e distribuído pela cidade. Russinho recebeu uma placa com uma bicicleta de ouro, oferecida por torcedores e dirigentes.

No final da temporada, o Colorado conquistou, de forma invicta, o municipal e o estadual. A seguir, viajou para Curitiba, onde jogaria dois amistosos. Venceu o Atlético por 3x1, e perdeu para o Coritiba por 7x4, em uma partida onde o goleiro Ivo lesionou-se, e o time desandou em campo. Após a partida (na qual marcou um dos gols), Russinho decidiu abandonar o futebol. Sequer jogou o último amistoso da temporada, contra o Libertad do Paraguai.

Torcedores e dirigentes tentaram convencer Russinho a continuar jogando, mas o jogador queria seguir a carreira de advogado. Em meados de 1943, quando o jornalista (e ex-goleiro colorado) Francisco de Paula Job, radicado no Rio de Janeiro, esteve em Porto Alegre, foi homenageado com um grande jantar, onde pediu, em público, que Russinho reconsiderasse sua decisão, mas não adiantou. Pouco depois, o Internacional contrataria Joane, jovem promessa que havia atuado no Corinthians e no Palmeiras, com a missão de substituir Russinho.

Russinho era de família rica. Nunca precisou do futebol para sobreviver. Seu salário era quase todo gasto ajudando funcionários do clube ou mesmo jogadores mais necessitados. Costumava bancar o jantar do grupo de jogadores, após as vitórias. Brincalhão e amigo de todos, Russinho era adorado por colegas, dirigentes, funcionários e torcedores. Era chamado de “Doutor” pelos colegas. Foi capitão do time entre 1940 e 1942. Encerrada a carreira, manteve-se ligado ao clube, onde foi conselheiro.

Em 4 de setembro de 1958 Russinho estava em São Paulo, onde realizaria uma cirurgia para curar uma úlcera. Infelizmente, o ídolo colorado sofreu um choque anafilático durante a intervenção cirúrgica. Sua morte, três dias após completar 41 anos de idade, surpreendeu e comoveu a torcida gaúcha. Seu corpo foi trazido de avião e enterrado no Cemitério Israelita. Dirigentes e atletas de todos os clubes da cidade compareceram ao enterro. A Federação Gaúcha e a dupla Gre-Nal decretaram luto oficial de três dias. O presidente colorado, naquela temporada, era Gildo Russowski, seu irmão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário